Resumo - Percepção, Emoção e Desenvolvimento Emocional
Sociais Aplicadas > Psicologia


Resumo - Percepção, Emoção e Desenvolvimento Emocional

Universidade Estácio de Sá
2007

Introdução:

Relações Humanas designa a interação e relação entre pessoas, se confundindo com a sigla R.H. (Administração de Recursos Humanos no contexto organizacional).

Breve Histórico:

Teve seu início a partir das pesquisas em Administração na década de 20. Procuravam estabelecer uma relação entre ambientes de trabalho e a produtividade. Essa equipe começou a observar que a produtividade fora alterada por fatores humanos, especialmente fenômenos de grupo.

Mayo começou a difundir a necessidade de se alterarem as relações interpessoais no ambiente de trabalho e de se atentar aos fenômenos de grupo, ele iniciou um movimento chamado “human relations”.

Nos dias de hoje a implementação de programas e práticas voltadas às pessoas tem se denominada gestão de pessoas.

Hoje o termo relações humanas (habilidade de compreender e lidar com pessoas) está mais voltado a preparar o indivíduo para obter maior sucesso na relações. Relações humanas significa perceber o outro tal como se apresenta, estabelecendo uma atitude de empatia, compreendendo-o e respeitando sua individualidade.

Para desenvolver as habilidades necessárias é preciso um melhor conhecimento de si próprio e a percepção do outro.

Em Relações humanas estudaremos:

1 - O Indivíduo

1.1 - Percepção

É a maneira como nós vemos, julgamos, conceituamos, qualificamos a nós mesmos (percepção pessoal), quanto a outras pessoas (percepção inter-pessoal).

Nós não vemos as pessoas como elas são, mas de acordo com o que significam para nós.

Quando julgamos uma pessoa ou consideramos um fato, utilizamos nosso quadro de referência que, é formado pelo conjunto de nossos valores, experiências, costumes, crenças, preconceitos, etc.

Ao percebermos alguém ou alguma situação, selecionamos, inconscientemente, aqueles aspectos que concordam com esse quadro. Nossa percepção portanto é subjetiva.

Para diminuirmos esse tipo de dificuldade, podemos nos utilizar: de empatia e de feeback.

Auto-Percepção

Todos nós temos certos comportamentos que às vezes não compreendemos bem. Temos dentro de nós conflitos que não conseguimos resolver e por isso impedem nossa maneira adequada de agir. Criamos um clima psicológico, não nos percebemos.

Algumas pessoas não aceitam críticas, armam-se de defesas para fugir às ameaças e não enfrentá-las. Outras passam a recriminar-se ao menor insucesso.

Se as pessoas se descobrem e tentam trabalhar esses comportamentos, isto as ajudará a agir com a maior eficácia na compreensão intrapessoal.

A percepção do outro é a empatia, que nos permite a nos colocarmos no lugar do outro, perceber suas particularidades, respeitar e entender as diferenças individuais. Essas diferenças influem na dinâmica intra e inter-pessoal.

1.2 – Emoção

O Cérebro e as Emoções

Há grandes diferenças individuais, tanto em animais como em seres humanos, quanto à atividade cerebral ligada às emoções. Há indivíduos que com pequena estimulação respondem em níveis de excitação emocional elevados, enquanto outros necessitam de fortes estímulos cerebrais para reagir. Há também quem afirme que homens e mulheres exibem diferentes padrões emocionais devido não só a fatores sociais e aprendidos, mas também devido a fatores biológicos diferentes.

Razão ou Coração?

O amor é uma emoção. Fala-se muito dele, mas sabe-se tão pouco a respeito.

Tradicionalmente as emoções foram vistas como algo indigno, impróprio e até mesmo desprezível. O homem civilizado era aquele que controlava suas emoções.

O homem perdeu sua sensibilidade, particularmente em certas culturas e sociedades.

Apesar da objetividade, muitos já se deram conta do valor das emoções, o que deu a origem a terapias, que têm por objetivo levar o homem a reconhecer, aceitar e expressar suas emoções.

Não há por que temer as emoções, nem a razão.

O Que é Emoção?

Complexos estados de excitação de que participa o organismo todo. É usado também para significar os sentimentos e os estados afetivos em geral. O sentimentos são disposições de prazer ou desprazer em relação a um objeto, pessoa ou idéia. Distinguem-se das emoções por serem reações mais calmas e com uma experiência mais complexa, com mais elementos intelectuais.

Admitem-se dois aspectos em toda emoção: a experiência individual interna

(somente é objeto de análise através dos relatos verbais, estimativas e julgamentos daquele que experimenta a emoção) e a expressão comportamental externa( se manifesta através de uma série complexa de respostas motoras, respostas do sistema nervoso e respostas glandulares ). É muito difícil identificar determinada emoção, a não ser que seja um profissional atuante em psicologia ou psiquiatria em contato direto com o indivíduo.

Podem ser estudadas desde diferentes ponto de vista. Alguém pode interessar-se mais por aspectos de comunicação das emoções como são expressas, como são interpretadas. Outro pode concentrar seu interesse nos comportamentos desencadeados, a partir das emoções.

Manifestação das Emoções

Há três indicadores utilizados para identificar as emoções:

1 - Relatos verbais - solicitar que a pessoa fale ou escreva a respeito do que está sentindo.

2 - Observação do comportamento - observa-se gestos, a postura corporal, a expressão facial e outros movimentos para identificar as emoções.

3 - Indicadores fisiológicos – alterações fisiológicas e orgânicas ocorrem durante os estados de emoção.

Desenvolvimento Emocional

Começa no nascimento e mesmo antes dele. Depende da aprendizagem, do desenvolvimento e do amadurecimento, do organismo físico.

As emoções podem ser geradas por processos racionais e lógicos.

O ambiente familiar e social ensinam as crianças a ter auto-confiança ou a ser tímida, retraída e desconfiada.

Emoção e Motivação

Indicam um estado de despertar do organismo.

A emoção pode servir de motivador do comportamento e a motivação pode levar a comportamentos que despertem novas emoções.

Diferenças Individuais e Culturais

Há grandes diferenças na expressão das emoções. A maneira de expressá-las e a quantidade e qualidade de emoções expressas dependem de aprendizagem, experiência anterior e normas culturais. Ex: os homens são incentivados a não chorar.

A palavra temperamento tem sido freqüentemente usada para designar justamente as diferenças individuais na expressão das emoções. Ex: há pessoas que, por temperamento, são mais sensíveis e emotivos.

E expressão emocional varia com a idade. Nota-se diferenças à medida que o indivíduo envelhece. A maioria se mostra mais controlado.

Parece que à medida que a idade avança as pessoas tendem a expressar suas emoções mais através de verbalizações do que de reações físicas.

Emoção e Ajustamento

As emoções ajudam as pessoas a serem mais felizes, mas também podem prejudicar a saúde física e mental.

Não é saudável negar a expressão emocional de impulsos genuínos e naturais. Embora não se possa dar total liberdade para todo e qualquer impulso, é possível haver controle emocional sem a necessidade de negarmos a nossa emocionalidade.

Nossa civilização foi longe demais na supressão e repressão das emoções e os resultados não são positivos. De um lado esta postura pode gerar reações radicais e por outro lado ela é sempre mal sucedida, deixando seqüelas. Ex: doenças psicossomáticas.

Emoção e Desempenho

A excitação emocional até um determinado grau melhora o desempenho, além desse grau prejudica o desempenho, interferindo no funcionamento normal das faculdades intelectuais e motoras. Uma determinada dose de excitação emocional, ajuda a tornar a tarefa mais significativa e interessante. Do contrário as tarefas perdem o interesse e caem na rotina.

Frustração e Conflito

A frustração é uma situação que interfere ou impede a realização de nossas motivações. São dividas em externas(se originam do meio em que vivem. Ex: um rapaz quer pegar uma flor que está num jardim, onde o muro é altíssimo e o impede) e internas(se originam do próprio indivíduo. Ex: mesmo que não existisse aquele muro altíssimo, a formação moral do rapaz o impediria de roubar).

Na frustração a realização de um objetivo é bloqueada por alguma barreira, no conflito o indivíduo se confronta com situações boas ou más, atraentes ou desagradáveis, entre as quais ele deve escolher. Ex: um funcionário é incumbido de fazer um trabalho desagradável, caso contrário será punido e, o outro funcionário vive enrolando, sempre consegue se safar, então ele entra em conflito.

Lewin introduziu o termo valência positiva(a atração que os outros objetos exercem sobre o indivíduo) e valência negativa(é o afastamento ou repulsa que certos objetos exercem sobre um indivíduo).

Variedades de Situações de Conflito

Sempre que nos encontramos diante de dois elementos de valência positiva(que são agradáveis e somos forçados a escolher apenas um deles) ocorre o conflito de aproximação, que ocorre com freqüência e o resolvemos rapidamente, porque qualquer dos elementos que possamos escolher será agradável para nós e poderá nos satisfazer.

Conflito de repulsão é aquele em que o indivíduo deverá escolher entre duas valências negativas, entre duas alternativas desagradáveis.

Conflito de atração-repulsão ocorre quando o indivíduo está entre uma força que atrai e outra que repele. O indivíduo encontra-se diante de uma valência positiva e uma negativa. A valência negativa é reduzida, visando uma satisfação posterior.