Julgamento Moral Segundo Kolberg
Sociais Aplicadas > Psicologia

Julgamento Moral


O modelo da Teoria de Kohlberg em relação ao desenvolvimento moral, é mais complexo do que a teoria de Piaget. Para Kohlberg o julgamento moral, com base em diferentes processos de pensamento mostrados pelas respostas a seus dilemas, foi dividido em três níveis com dois estágios cada um. A moralidade pré-convencional (idade de 04 à 10 anos); moralidade de conformidade ao papel convencional (após a idade dos 10 anos, muitos nunca superam mesmo na idade adulta) e moralidade dos princípios morais (não atinge antes dos 13 anos, podendo também nunca ser atingida).

Segundo Kohlberg as idéias associadas aos níveis podem variar devido a fatores de cognição, desenvolvimento emocional e a experiência de vida afetando nos julgamentos morais.

Kohlberg apresentou um nível de transição entre os níveis II e III, quando as pessoas baseiam suas decisões morais em sentimentos pessoais.

Nem Kohlberg nem Piaget consideravam os pais importantes para o desenvolvimento moral das crianças; entretanto, pesquisas enfatizam a contribuição dos pais tanto na área cognitiva quanto na emocional.

Após um pesquisa realizada com crianças e adolescentes e seus pais, Kohlberg e seus seguidores puderam enriquecer suas teorias com o impacto do resultado. Estimulando muitas pesquisas posteriores e críticas. Uma delas é o respeito da falta de um relacionamento claro entre julgamento moral e comportamento, ao que se diz respeito a indivíduos de culturas e níveis diferentes.

Outro problema ao avaliar o problema de Kohlberg são seus métodos de avaliação que exigem muito tempo. Uma alternativa é o teste de Definição de Questões (DIT). Para Carol Gellegan (1982), a teoria de Kohlberg está orientada a valores que são mais importantes para os homens do que para as mulheres.

Kohlberg sustentava que o padrão de desenvolvimento moral é universal, transcendendo fronteiras culturais. É possível que tais culturas não estimulem o desenvolvimento moral superior, mas parece mais provável que alguns aspectos da definição de Kohlberg de moralidade possam não se ajustar aos valores culturais de algumas sociedades.

O próprio Kohlberg observou que antes de poderem desenvolver uma moralidade plenamente baseada em princípios, as pessoas devem conhecer a relatividade dos padrões morais.