Doses de Anestésicos em Diferentes Espécies
Biológicas > Veterinária

Doses de Anestésicos em diferentes espécies

Protocolos Anestésicos para Cães

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

1 MPA

Tranquilização

Xilazina

Rompum

a-2 agonista

1,1 a 2,2

IV ou IM

2 MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,1 a 0,2

IV ou IM

3 MPA

Traquilização

Fentanil

Fentanil

Hipnoanalgésico

0,02 a 0,04

IM

4 MPA

Tranqulização

Clorpromazina

Amplictil

Tranqqulizante

1 a 2

IV

5 MPA

Tranquilização

Levopromazina

Neozine

Tranquilizante

1 a 2

2 a 3

IV

IM

6 Anest. Dissociativa

Abordagens cirúrgicas rápidas

Quetamina +

Xilazina

Ketalar

Rompum

Dissociativo +

a2-agnista

10 a 15 +

1,1 a 2,2

IM +

IM

7 Anestesia Barbitúrica

Ind. Anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

12,5

IV

8 Anestesia Não Barbitúrica

Ind. Anestésica

Não Barbitúrica

Propofol

Indução Anestésica

1

IV

9 Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) 0,87

Inalatória

10 Anestesia Geral Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Desflurano

Anestesia Geral

*CAM(%) 7,20

Inalatória


Comentários

1 - A Xilazina é uma boa opção quando se deseja prostar o animal, este tranquilizante é um relaxante muscular de bom uso para exames complementares, contenção química de animais agressivos. Lembrando que a Xilazina tem como efeitos indesejáveis a bradicardia e até bloqueio atrio ventricular, para evitar estes efeitos, faz-se o uso de Sulfato de Atropina, na dose de 0,044mg/Kg, aguardando 15 minutos para seu pico de ação.

2 – A Acepromazina é uma boa opção para animais cardíacos, este fármaco promove uma leve analgesia, muito utilizado na sua versão em gotas para tranquilização de animais que vão se submeter a viagens.

3 - O Fentanil promove uma potente ação analgésica e hipnótica usado em animais para aliviar a dor.

4 – A Associação de Xilazina com a Quetamina é uma boa opção para abordagem cirúrgica quando não se dispõe de anestesia inalatória, devendo proceder com certa cautela quando empregarmos a Xilazina. Deve-se fazer o uso do Sulfato de Atropina para evitar a bradicardia e também o bloqueio atrio ventricular.

5 – O Tiopental é usado para fazer a indução anestésica, para que o animal perca os reflexos larigotraqueal, permitindo a sondagem para o uso da anestesia inalatória. De uso exclusivo IV, e quando aplicada acidentalmente fora da veia pode provocar necrose da região onde foi feita a aplicação.

6 – O Propofol tem praticamente o mesmo uso que o Tiopental, com o conveniente de que não se submete o animal ao risco de efeito cumulativo.

7 – O Halotano é o fármaco mais usado em anestesia inalatória Veterinária devido o baixo custo; É um anestésico potente e não causa irritação e com recuperação rápida, mas tem algumas desvantagens, que pode provocar:(CAM % ->Concentração alveolar mínima)

  • Hipotensão
  • Arritmias
  • E apresenta riscos de lesões hepática

Protocolos anestésicos para Gatos

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

1 MPA

Tranquilização

Xilazina

Rompum

a-2 agonista

1,1 a 2,2

IV ou IM

2 MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,1 a 0,2 sol 2%

IV ou IM

3 MPA

Traquilização

Diazepan

Valium

Ansiolítico

1 a 2

IV ou oral

4 MPA

Tranquilização

Clorpromazina

Amplictil

Tranquilizante

0,5 a 1

1 a 3

IV

IM

5 MPA

Tranquilização

Levomepromazina

Neozine

Tranquilizante

0,5 a 1

1 a 3

IV

IM

6 Anest. Dissociativa

Abordagens cirúrgicas rápidas

Quetamina +

Xilazina

Ketalar

Rompum

Dissociativo +

a2-agonista

10 a +

0,5 a 0,8

IM

7 Anestesia Barbitúrica

Ind anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

12,5 (c/MPA)

IV

8 Anestesia Não Barbitúrica

Ind anestésica

Não Barbitúrica

Propofol

Indução Anestésica

5 a 7

IV

9 Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) 0,82

Inalatória

10 Anestesia Geral Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Desflurano

Anestesia Geral

*CAM(%) 1,63

Inalatória

 

Comentários

1 – A Xilazina é um bom tranquilizante para ser utilizado em gatos, mas deve-se prevenir seus efeitos indesejáveis com o uso prévio do Sulfato de atropina, também deve-se evitar o uso deste fármaco em animais cardíacos.

2 – É muito usado para quando se deseja uma leve tranquilização do animal, muito utilizado em sua aplicação via oral para animais que serão submetidos a viagens.

3 – O Diazepan deve-se utilizar com certa cautela, pois em felinos quando administrado por via IV pode provocar depressões respiratórias.

4 – Esta é uma boa associação de fármacos para abordagens cirúrgicas em felinos, e também muito usada pelo seu baixo custo.

5 – Este tipo de fármaco é muito utilizado em felinos para indução anestésica, deve-se ter cautela com este tipo de fármaco, quanto sua aplicação, devendo –se aplicar com cautela, pois, qualquer erro pode causar necrose da região onde foi abordada.

6 – O Propofol também é utilizado em gatos para a indução anestésica.

7 - O Halotano é muito usado em Medicina Veterinária pelo seu baixo custo e também por ter um bom efeito anestésico. Sua recuperação é média e pouco tóxico para o paciente. (CAM% -> Concentração alveolar mínima)

Porém tem algumas desvantagens, que pode provocar:

  • Hipotensão
  • Arritmias
  • E apresenta riscos de lesões hepáticas.

Protocolos anestésicos para Equinos

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

1 MPA

Tranquilização

Azaperone

Azaperone

Neuroléptico

0,8 a 1

IV ou IM

2 MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,05 sol 1%

IV ou IM

3 MPA

Traquilização

Levemopromazina

Neozine

Ansiolítico

1 a 2

IV ou oral

4 Anest. Dissociativo

Abordagens cirúrgicas rápidas

Acepromazina(1%)+

Midazolan +

Quetamina

Acepram

Dormind

Ketalar

Neuroléptico

Ansiolítico

Dissociativo

0,1 + 0,2

(mesma seringa) +

2

IV

5 Anestesia Barbitúrica

Ind anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

1g/100Kg*(PV)

IV

6 Anestesia Não Barbitúrica

Ind anestésica

Não Barbitúrica

Propofol

Indução Anestésica

2

IV

7 Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) 0,90

Inalatória

8 Anestesia Geral Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Desflurano

Anestesia Geral

*CAM(%) 1,55

Inalatória

 

Comentários

1,2,3 – Essa aplicações são úteis, pois, alem de servirem para exames clínicos, se prestam para exames radiográficos, ferrageamentos ou pequenas manipulações, tais como curativos, trocas de pensos ou drenagem de abscessos.

Podem ocorrer pequenas excitações esporadicamente, que são fugazes, pois, em seguida, o animal se acalma, aceitando a manipulação sem prostração.

4 – A anestesia dissociativa representa, atualmente, uma das técnicas mais vantajosas em se tratando de pequenas cirurgias feitas a campo e nas quais se requeira o pronto estabelecimento do animal.

5 – O grande cuidado com este fármaco se tratando de equinos, é de que se este animal foi tratado com uma fenotiazina com flunitrazepan na MPA, pois o risco de apnéia é maior, devendo – se, para tanto, controlar os reflexos com anestésicos pertinentes a espécie.

6 – O Propofol é uma boa opção para indução anestésica ou mesmo para intervenções rápidas com duração de 10 a 15 minutos e o animal se restabelece em 25 a 30 minutos.

7 - O Halotano é muito usado em Medicina Veterinária pelo seu baixo custo e também por ter um bom efeito anestésico. Sua recuperação é média e pouco tóxico para o paciente. (CAM% -> Concentração alveolar mínima)

Porém tem algumas desvantagens, que pode provocar:

  • Hipotensão
  • Arritmias
  • E apresenta riscos de lesões hepáticas.

 

Protocolos anestésicos para Bovinos

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

1 MPA

Tranquilização

Xilazina

Rompum

a-2 agonista

0,05 a 0,10

IM

2 MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,05 sol 1%

IV

3 MPA

Traquilização

Levemopromazina

Neozine

Ansiolítico

1

IM

4 Anest. Dissociativa

Abordagens cirúrgicas rápidas

Clorpromazina +

Midazolam+

Quetamina

Amplictil

Dorminid

Ketalar

Neuroléptico

Ansiolítico

Dissociativo

0,5 + 0,1

(mesma seringa) +

2

IV

5 Anestesia Barbitúrica

Ind anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

1g/200Kg(PV)sol5%

IV

6 Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) -

Inalatória

7 Anestesia Geral Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Isoflurano

Anestesia Geral

*CAM(%) 1,55

Inalatória

 

Comentários

1 – A Xilazina é um excelente fármaco para uso em bovinos, pois causa um ótimo efeito miorrelaxante e prostração do animal com a administração de baixa dose, devido os bovinos terem poucos receptores a-2.

2,3 – Ao aplicar tais fármacos por via intravenosa, é de se esperar que, em alguns animais , ocorra inicialmente uma excitação com posterior tranquilização, vale se dizer que deve-se ter um certo cuidado na aplicação intravenosa em recintos fechados e em animais mal contidos. Outrossim, essa tranquilização não é suficiente para relaxamento do S peniano e, por conseguinte, a sua exteriorização.

4 – Esta anestesia permite intervenções cirúrgica rápidas, de 10 a 15 minutos, desde que não haja manipulações cruentas no abdome ou tórax. Sua grande vantagem é a de que pode ser aplicada em animais cujo período pré-cirúrgico é considerado de extrema urgência, não havendo, portanto, tempo hábil para o jejum.

5 – É utilizada com muita freqüência em bovinos, para fazer a indução a anestesia geral, fazendo com que o animal perca o reflexo larigotraqueal, permitindo a sondagem para o uso de anestesia volátil.

6,7 – São anestésicos de uso inaláveis, levando em consideração que o halotano e o mais usado em se tratando de Veterinária devido ao baixo custo, o Isoflurano é um dos anestésicos mais seguros, mas de pouco uso devido ao seu alto custo. Porém o halotano vem demonstrando uma boa eficaz em Medicina Veterinária, mesmo oferecendo alguns riscos ao paciente; mesmo que mínimo pode ocorrer hipotensao, arritmias e lesões hepáticas.

 

Protocolos anestésicos para Ovinos

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

MPA

Tranquilização

Clorpromazina

Amplictil

Neuroléptico

0,5 a 0,10

0,3 a 0,5

IM

IV

MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,10 sol 1%

0,05 a 0,10

IM

IV

MPA

Traquilização

Levemopromazina

Neozine

Neuroléptico

0,5 a 1

0,3 a 0,5

IM

IV

Anest. Dissociativa

Abordagens cirúrgicas rápidas

Clorpromazina +

Quetamina

Amplictil

Ketalar

Neuroléptico

Dissociativo

0,05 a 0,1 +

2

IM +

IV lenta

Anestesia Barbitúrica

Ind anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

8 a 30

IV

Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) -

Inalatória

 

Comentários:

1,2,3 – O importante nessas espécies é não aplicar sobredoses, pois a prostração causada deve ser julgada se é efeito do fármaco ou hipotensão que a mesma causa. O importante é causar a queda do metabolismo basal, sem alteração significativa dos parâmetros fisiológicos.

4 – A anestesia dissociativa é uma alternativa cômoda para pequenas intervenções a campo de curta duração em Ovinos e Caprinos. Sua grande vantagem é de que o despertar do animal é tranquilo e, durante o ato cirúrgico, não se constatam efietos extrapiramidais ou alterações paramétricas brusca, auferindo, assim uma certa segurança para quem a pratica.

5 – A indução anestésica com o Tiopental merece um certo cuidado, pois há autores que recomendam, em pequenos ruminantes, a dose de 8 a 30mg/Kg, doses estas que se referem a animais com MPA ou sem a mesma, daí a recomendação de altas doses. Como a intenção precípua da aplicação do Tiopental é de se obter a abolição do reflexo laringotraqueal, a fim de introduzir a sonda, é evidente que a dose indicada anteriormente é suficiente.

É conveniente ainda, durante a anestesia, observar se há formação de gases no rumem, os quais serão facilmente escoados através de sondagem ou de uma punção asséptica.

Protocolos anestésicos para Suínos

Tipo de Anestesia

Finalidade

Fármaco

Nome comercial

Classificação

Dose(mg/Kg)

Vias de adm.

1 MPA

Tranquilização

Azaperone

Azaperone

Neuroléptico

1

IV ou IM

2 MPA

Tranquilização

Acepromazina

Acepram

Neuroléptico

0,10 sol 1%

IV ou IM

3 MPA

Traquilização

Levomopromazina

Neozine

Ansiolítico

1

IM ou IV lenta

4 Anest. Dissociativa

Abordagens cirúrgicas rápidas

Levomopromazina +

Flunitrazepan +

Quetamina

Neozine

Rohypinol

Ketalar

Neuroléptico +

Dissociativo

0,5 +

1mg/100Kg

8 (ml)

IV +

IV lenta

5 Anestesia Barbitúrica

Ind anestésica

Barbitúrica

Tiopental

Indução Anestésica

10 a 12 sol.2,5%

IV

6 Anestesia Gerai Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Halotano

Anestesia Geral

*CAM(%) 1,25

Inalatória

7 Anestesia Geral Inalatória

Anestesia geral

A. Inalatória

Isoflurano

Anestesia Geral

*CAM(%) 1,45

Inalatória

 

Comentários:

1,2,3 – Normalmente, essa modalidade de tranquilização possui um período de latência de 10 a 15 minutos, quando um dos fármacos citados é injetado por via intravenosa, não se observando, inclusive, excitações com o uso de fenotiazinas.

Já aplicações de tranquilizantes por via intramuscular apresenta um período de latência de 30 a 40 minutos, sugerindo-se sempre a colocação do animal em recinto fechado, para evitar estresse ou grunhidos excessivos que tornam incômodos.

4 – A anestesia dissociativa em suínos tem sua limitações apenas quanto ao custo operacional, pois é segura, prática e objetiva.

Para essa modalidade anestésica se torne viável, é necessário que se proceda inicialmente com uma MPA condizente, seguida de uma prostração adequada, permitindo o emprego da anestesia dissociativa exclusivamente por via intramuscular é 10 vezes maior elevando muito o custo desta prática anestésica.

A Quetamina é um fármaco relativamente caro, mas, sendo usada convenientemente, ela se torna adequada, principalmente para uso a campo.

7 - O Halotano é muito usado em Medicina Veterinária pelo seu baixo custo e também por ter um bom efeito anestésico. Sua recuperação é média e pouco tóxico para o paciente. (CAM% -> Concentração alveolar mínima)

Porém tem algumas desvantagens, que pode provocar:

  • Hipotenção
  • Arritmias
  • E apresenta riscos de lesões hepáticas.